Minha Estranha Obsessão Por Ajudar Pessoas

“Acreditar no ser humano e ajudar o próximo é a única forma de contribuir para a transformação do mundo e das pessoas.”
Andresa Martins Vicentini

Você gosta de ajudar aos outros?

E quanto a receber ajuda? Você sabe?

Meus 2 primeiros vestibulares foram para medicina. Eu não passei.

Fiz para medicina porque eu nunca tive problema com sangue. E sempre quis ajudar e como eu não tenha passado em medicina, por pouco não virei “motorista de ambulância”.

A minha vontade de ajudar era tão grande, que eu não mensurava as consequências e apenas e, 2010 eu socorri 3 pessoas acidentadas, tendo colocado elas no meu carro e levado para o hospital. Na verdade duas…

“DUAS HAVIAM SIDO BALEADAS”

Um vez, eu estava saindo frustrado de uma festa onde não tinha conseguido fotografar o jogador Romário para colocar no site de baladas que eu tinha com uns amigos em Niterói.

Naquela época eu era uma das poucas pessoas que eu conhecia que tinhas uma máquina digital com display!!! Você via a foto na hora!!!

Na saída, eu ouvi um tiro e ao me aproximar do meu carro, se aproxima de mim um homem com metade do queixo estourado…

Ele babava sangue e não conseguia falar.

Rapidamente coloquei ele no meu carro, mesmo contrariando um suposto “Policial Federal” armado que falou que o socorro estava a caminho.

No caminho do hospital, parei novamente perto de policiais, que me chamaram de LOUCO e nada quiseram fazer, apenas me advertindo que se o cara “apagasse” no meu carro eu estaria MUITO ENCRENCADO.

Grande ajuda esse policial me deu!

Eu estava com um colega, que foi dirigindo enquanto eu descobria um grande talento:

“Motivar o cara a não desistir!”

Lembro dele esmagando um maço de cigarros nas mão em cima do colo, em uma grande mistura de baba com sangue e da bagunça vermelha que virou meu carro…

Eu tinha que falar para ele a todo momento que a coisa não era tão feia quanto parecia e que tudo ia ficar bem…

Para encurtar a história, deixamos ele no hospital e ligamos para sua ex namorada, pois ele conseguiu digital o número dela no meu celular, que também ficou vermelhinho…

Soube depois através dela que ele havia ficado bem, e que fizemos certo de ligar para ela pois os pais dele eram idosos e cardíacos, e poderiam passar realmente mal, se tivéssemos dado a notícia para eles.

Foi a primeira vez que fui chamado de “Anjo” que eu realmente me considerei um…

Depois de pagar uma boa grana para lavar o estofado, eis que quando estou chegando do almoço escritório, mais um baleado cruza meu caminho.

Peguei o carro e ia colocando o rapaz dentro, quando um dos seguranças que trabalhava na empresa da minha mãe viu minhas ações e me impediu me segurando e falando:

“Esse cara desceu do morro, e vai vir gente “terminar o serviço”
e se você estiver no carro com ele vai junto”

Esse cara foi a diferença entre 3 e 2 que eu contei no início do e-mail!

Mas eu consegui pegar meu celular e ligar para: bombeiros, polícia e hospital.

Incrivelmente, em menos de 5 minutos chegou ajuda e levou ele.

O terceiro foi de um acidente de moto…

Que novamente ensanguentou o carro, dessa vez do meu irmão mais novo, que não teve como discutir comigo e teve que dirigir até o hospital atrasando nossa viagem de feriado.

História como essas, talvez não tão radicais, foram se repetindo ao longo de alguns anos e sempre que posso (estou sozinho), faço loucuras do tipo: Dar Carona!

As vezes me sentia envergonhado de não mais discutir com quem esta perto e tem MEDO de ajudar...

Mas isso foi passando porque hoje sinto que contribuo de uma forma muito MENOS perigosa com o próximo.

Meu trabalho como coach preenche meu coração e seu anseio em ajudar o próximo.

Minha escola de coaching, a ABRACOACHING, faz que isso seja disseminado.

Agora…

Quem falou que eu ajudei essas pessoas?

A cada vez que eu socorri ou ajudei alguem, na verdade era EU quem estava sendo ajudado.

“Queremos progredir? Ajudemos sinceramente o próximo a progredir e veremos que quem está progredindo somos nós!”.
Sama

Recentemente tive contato com uma grande pergunta de coaching…

Se você só fosse viver até os 40 anos, o que teria feito diferente?

Estou com 36  e minha resposta hoje seria:

“Estou ciente da importância do meu trabalho. Eu me dedicaria O DOBRO na construção do meu negócio e transmissão das minhas idéias ao mesmo tempo que que me esforçaria para fazer minha escola de coaching “autogerenciavel”, para ela pudesse continuar a existir quando eu me fosse”.

Independente se você tem a mesma obsessão por ajudar pessoas que eu tenho… eu fico feliz em saber que você esta assistindo aos meus vídeos e quero te agradecer por isso!!!

Um forte abraço,

Bruno Juliani.

P.S.: E você, de que forma você pode ajudar os outros? Mesmo que seja apenas fazendo alguem sorrir 🙂

Deixe a resposta nos comentários.